• ABERTURA DE EMPRESAS

    Abertura e legalização de novos negócios. Procure sempre um profissional contábil...

  • PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

    Dispositivos legais, fiscais e tributários, inteligência fiscal, análise e controle da carga tributária...

  • POLÍTICAS EMPRESARIAIS

    Diagnóstico empresarial, fluxo operacional, potêncial econômico, alinhamento de processos, planejamento estratégico...

  • TREINAMENTOS

    Educação contábil, fiscal e tributária, orientação financeira, análise de custos e demais treinamentos (in company) para seus colaboradores...

  • DESTAQUE-SE

    Tenha a PAUTA ASSESSORIA como parceira estratégica...

O que é e qual a importância da auditoria contábil?

A auditoria contábil é um processo essencial para companhias de todos os segmentos, pois verifica a precisão dos registros contábeis de uma empresa com o objetivo de evitar fraudes e prevenir irregularidades. Ao fazer da prática parte da rotina da empresa, é possível ter informações concretas, transparentes e mais seguras sobre a situação das finanças, identificando possíveis falhas no sistema financeiro e no controle interno corporativo.

Neste post, você saberá tudo o que precisa sobre a auditoria contábil, seus principais objetivos e funcionamento. Confira:

O que faz a auditoria contábil?

A auditoria contábil faz um exame dos registros da empresa, certificando-se da sua exatidão. A análise não fica restrita aos aspectos contábil e financeiro, tendo como foco também processos administrativos, fiscais, técnicos e éticos. Com o relato da auditoria em mãos, o gestor pode analisar os problemas que foram observados, suas consequências e o que pode fazer para corrigi-los.

Podem ser auditados os resultados do exercício, o balanço patrimonial e a demonstração do fluxo de caixa, além de processos internos. A auditoria contábil pode ser feita em qualquer empresa, independentemente de seu porte e área.

Benefícios

Ao apostar na realização periódica de auditorias contábeis, é possível fiscalizar a eficiência dos controles internos do negócio, o que garante que os registros contábeis sejam fiéis à realidade da empresa. Com isso, sócios e acionistas têm informações mais detalhadas e concretas sobre a real situação econômica da empresa. O processo de auditoria dificulta ainda possíveis desvios de bens patrimoniais.

Outro ponto importante é que a auditoria contábil pode ajudar a empresa a ajustar seus processos contábeis aos padrões internacionais, o que aumenta a credibilidade junto a stakeholders importantes, como fornecedores e bancos. Ao passar por uma auditoria, a empresa conquista um selo de qualidade que a valoriza aos olhos de potenciais parceiros e investidores. E, por fim, um dos benefícios mais importantes: uma organização que passa por uma auditoria contábil é sempre considerada mais transparente.

O papel do auditor

O auditor é o profissional responsável por examinar se as atividades contábeis da empresa estão sendo desenvolvidas de acordo com o esperado e estipulado em planejamento prévio. O auditor deve ter formação em Ciências Contábeis e contar com registro no Conselho Regional de Contabilidade para exercer essa função. Ele será responsável por elaborar relatórios, rever procedimentos de controle interno e de negociação em Bolsa de Valores.

Para fazer bem o seu trabalho, o auditor contábil deve estar atualizado em relação às normas nacionais e internacionais — é importante que ele tenha em mente que essas normas mudam o tempo todo, o que afeta diretamente as operações das empresas. O auditor deve ter ainda conhecimento sobre as outras áreas da companhia para que execute as operações contábeis com mais eficiência e qualidade.

Independentemente da área de atuação e do porte do seu negócio, investir na realização de auditorias garante mais transparência e exatidão em relação aos dados da contabilidade. Aposte nesse processo!

Fonte: Sage Negócios

[ + ]

Fazenda deflagra operação Quebra Gelo de combate à emissão de "notas frias"

A Secretaria da Fazenda mobilizou nesta terça-feira (25/8) 25 agentes fiscais de rendas da Capital na operação Quebra Gelo, estruturada para apurar irregularidades na abertura e funcionamento de empresas e na emissão de documentos fiscais “frios” efetuada com o objetivo simular operações para transferir créditos espúrios de ICMS aos destinatários.

Equipes do Fisco percorrem 29 alvos nas regiões Norte, Oeste e Centro da Capital selecionados por apresentarem indícios de que as operações informadas nas Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e) podem não ter ocorrido conforme os dados registrados, caracterizando a emissão de “notas frias”.

A Secretaria da Fazenda, com base em metodologias de Business Intelligence e de monitoramento de contribuintes, identificou que empresas recém-abertas ou em situação de latência por longos períodos, começaram a informar valores expressivos em operações suspeitas no montante de R$ 76 milhões.

Esta atividade atípica chamou a atenção da fiscalização que deflagrou nova fase da operação Quebra Gelo para apurar indícios de irregularidades identificados em contribuintes registrados nos segmentos de metalurgia, alimentos, plásticos e têxtil, dentre outros.

Uma vez constatada a simulação destas empresas e suas operações, os estabelecimentos terão sua inscrição estadual suspensa, com bloqueio imediato da emissão de Notas Fiscais Eletrônicas para impedir a continuidade desta prática infracional. Serão instaurados processos administrativos para cassação ou decretação da nulidade destes estabelecimentos.

Com base nos fatos apurados, a Secretaria da Fazenda poderá também direcionar seus esforços de fiscalização para reclamar o imposto indevidamente creditado junto aos destinatários informados nos documentos fiscais.

A emissão de documentos fiscais irregulares, conhecidos como “notas frias”, além de grave infração pode configurar crime contra a ordem tributária conforme Lei 8137/1990.
Fonte: SEFAZ/SP - 25.08.2016

[ + ]

Inscrição em Dívida Ativa da União - Débitos do Simples Nacional

Informamos que os débitos apurados no Simples Nacional, relativos aos períodos de apuração (PA) até 12/2013, e que se encontravam em cobrança na Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB em 01/07/2016, foram enviados à Procuradoria Geral da Fazenda Nacional - PGFN para inscrição em dívida ativa, nos termos do art. 41 da Lei Complementar nº 123, de 2006.

Pagamento:
O pagamento dos débitos inscritos deverá ser efetuado por meio do Documento de Arrecadação do Simples Nacional da Dívida Ativa da União - DASDAU, a ser emitido, exclusivamente, no Portal do Simples Nacional, na opção Simples – Serviços > Cálculo e Declaração > “Emissão de DAS da Dívida Ativa da União”.

Parcelamento:
O contribuinte poderá efetuar o parcelamento dos débitos inscritos, conforme regramento previsto na Portaria PGFN nº 802/2012.

Para parcelar as inscrições do Simples Nacional, basta acessar o portal e-CAC da PGFN e selecionar a opção “Parcelamento Simplificado”. Após solicitar o parcelamento da inscrição no e-CAC, a formalização ficará condicionada ao pagamento da primeira parcela, que deverá ser efetuado por meio de DASDAU a ser emitido no Portal do Simples Nacional (na mesma opção “Emissão de DAS da Dívida Ativa da União”).

O aplicativo “Emissão de DAS da Dívida Ativa da União” permite a geração de DASDAU em valor integral do débito ou em valor correspondente a uma parcela (para quem efetuou o parcelamento).

ATENÇÃO:

1 - Para os contribuintes que solicitaram pedido de parcelamento de débitos do Simples Nacional, no âmbito da RFB, até 01/07/2016, os débitos não foram transferidos, permanecendo em cobrança na RFB.

2 - Para identificar os débitos do Simples Nacional que continuam em cobrança na RFB, para fins de regularização, o contribuinte deverá utilizar a opção “Consultar Débitos" no aplicativo PGDAS-D e DEFIS ou a opção "Consulta Pendências - Situação Fiscal > Débitos Pendências > Emitir DAS" no portal e-CAC .

3 - Não foram inscritos em dívida ativa da União os débitos de ICMS e de ISS que, na data da inscrição, tinham convênios vigentes com a PGFN, celebrados na forma do art. 41, §3º, da Lei Complementar nº 123/2006.

4 - Após o envio dos débitos à PGFN, a retificação de valores informados na DASN (para PA até 12/2011) ou no PGDAS-D (para PA a partir de 01/2012), relativos aos períodos de apuração (PA) dos débitos já inscritos, que resulte em alteração do montante do débito, não produzirá efeitos (art. 37A e parágrafos da Resolução CGSN 94, de 2011). Neste caso, após a transmissão da declaração retificadora, o contribuinte deverá buscar orientação junto às unidades de atendimento da RFB.

SECRETARIA-EXECUTIVA DO COMITÊ GESTOR DO SIMPLES NACIONAL

Fonte: Portal Simples Nacional

[ + ]